Rodando a cidade Pinacoteca do Estado de São Paulo

Pinacoteca do Estado de São Paulo


O edifício situado no centro de São Paulo, passou a ser sede da Pinacoteca do Estado de São Paulo oficialmente em 1905. Projetado com o intuito inicial de abrigar o Liceu de Artes e Ofícios (instituição que formava técnicos e artesões), o arquiteto Ramos de Azevedo deu inicio a obra de 1895.

Em 1911 a Pinacoteca recebeu a Primeira Exposição Brasileira de Belas Artes, que foram as primeiras doações para o museu e até hoje fazem parte do acervo.

Antes da Semana de Arte Moderna, em 1922, as mostras de arte eram compostas por pinturas renascentistas e “arte burguesa”, principalmente a francesa, italiana  e latino-americana.

Após esse principal evento a Pinacoteca começou a dar espaço para novas estéticas que surgiam no Brasil e no mundo. Uma inovação foi a tela Bananal de Lasar Segall fazer parte do acervo. As coleções começaram a quebrar aquele padrão conservador do espaço.

Em 1971, o projeto Pinacoteca Circulante levou até o interior paulista diversas obras consagradas, que seriam exibidas em clubes, salões paroquiais, escolas, espaços públicos. Foram mais de 100 exposições em setenta cidades participantes.

Depois de várias danificações, como o incêndio em 1930, o edifício passou por uma grande reforma entre 1993 e 1998. Entre várias modificações, sua entrada passou da Avenida Tiradentes para a frente da Estação da Luz. Em 2.000 ganhou o prêmio de Arquitetura Mies Van der Rohe, por todo o projeto de Paulo Mendes de Rocha.

Atualmente há 10 salas que recebem as exposições e conservam algumas peças do acervo – que conta com aproximadamente 100 mil obras. Ainda a área externa é o Jardim Luz, que foi integrado juntamente com o edifício.

Entre o final de 2014 e o começo de 2015, a Pinacoteca do Estado de São Paulo bateu recorde no número de visitantes na instituição com a exposição hiper-realista do artista australiano Ron Mueck.